GavetaGrid – O jogo de equipe. Pode?

Fala querida traça alfabetizada! Se você assistiu o último GP da F-1, disputado na semana passada na Inglaterra, certamente ficou com uma coceirinha atrás da orelha nas últimas voltas da corrida. Eis a situação: O líder absoluto no campeonato Vettel se arrastando para chegar em segundo lugar e ampliar ainda mais a sua vantagem na pontuação final; colado na traseira dele (sentido automobilístico e não bíblico) vinha o seu companheiro de Red Bull, Mark Webber, com um carro visivelmente mais equilibrado e veloz. Passa ou não passa?

Pois é! Já adianto pra você não ficar ansioso: não passa e fique quieto Sr. Webber! Não foi bem essa frase que o australiano escutou no rádio de sua Red Bull, mas a mensagem real foi clara… “MANTENHA A SUA POSIÇÃO!”. Tal ordem seria inadmissível até o ano passado, quando o jogo de equipe era terminantemente proibido na categoria, clausula essa que fora remodelada esse ano para se permitir o tão famoso jogo de equipe. Mark Webber passou a semana reclamando do fato e levou um puxão de orelha da equipe, uma espécie de “ponha-se no seu lugar” e “engula o choro”. Funcionou.

Além do mais, sabe o que é interessante? A F-1 é uma competição por equipe, e não é à toa que cada uma delas leva dois carros pra pista. Seria uma incongruência tamanha não se permitir que ambos os carros trabalhem em função do grupo, como se vê em provas de ciclismo por exemplo (onde todos os integrantes tem a função de poupar o escolhido para o esforço final, a vitória). Se não fosse por isso, não existiria distinção entre pilotos companheiros.

“Mas o australiano Webber lutava pelo campeonato!” Azar o dele estar trocentos pontos atrás do brilhante Vettel, o queridinho da F-1 e da Red Bull. Inclusive, já vimos em outros episódios o que acontece quando companheiros brigam em pista por posições, Vettel e Webber quem os diga, já que andaram se estranhando e trocando tinta em algumas oportunidades no ano passado. A RBR evoluiu e amadureceu.

Mark Webber

A verdade é que um pássaro na mão é melhor que dois voando, e se esse pássaro é o que voa mais rápido, melhor ainda (e que se dane o segundo passarinho retardado)! Palmas para Red Bull que entendeu a sua força na categoria e agora toma decisão como gente grande, sem se abster, sem hipocrisia… É o campeonato que está em jogo, ora bolas, e já cansamos de ver situação similar ocorrer em Ferrari e McLaren.

Ao Senhor Mark Webber, vai o meu abraço! Se conforme porque, como o seu próprio boné, macacão e carro estampam, você somente é o número 2 e a Red Bull está muito além de você, quiçá Sebastiam Vettel, o campeão antecipado da temporada de 2011.

Deixe um comentário, ou trackback para o seu site.

2 Comentários para “GavetaGrid – O jogo de equipe. Pode?”

  1. TUNIM SENPAI disse:

    SENPAI, 26 ANOS, RJ
    QUANDO EU VIA AS CORRIDAS DO RUBINHO, NA EPOCA DA FERRARI, EU SEMPRE FALAVA PRA MINHA MÃE QUE A FERRARI TINHA UM BOTÃO QUE FAZIA O CARRO DA DEFEITO.

    • Igor disse:

      Pois é! Sempre aconteceu e sempre irá acontecer… Rubinho não foi o primeiro e não será o último! Massa e Webber são os que sofrem com o jogo de equipe atualmente… Paciência!

Comenta aí, traça!

Powered by WordPress | Free T-Mobile phones at BestInCellPhones.com. | Thanks to Verizon Wireless, Facebook Games and The diet solution