Análise: Onde Vivem os Monstros

Aperte play e que a selvageria comece!

Ficha Básica
Direção:
Spike Jonze
Ano: 2009
Gênero: Fantasia
Duração: 101 minutos
Classificação Indicativa: Livre

———
– Todas
as cenas do filme são marca registrada de seus proprietários.

Photobucket

Deixe um comentário, ou trackback para o seu site.

14 Comentários para “Análise: Onde Vivem os Monstros”

  1. Flyfish disse:

    Um comentário que acabei esquecendo de fazer na análise: acredito que o filme poderia ter funcionado melhor em um curta metragem de uns 20 ou 30 minutos.

    ps: nossa… A análise tava pronta desde de manhã, mas o maldito do upload sempre falhava. ¬¬’

  2. Tarta disse:

    É cara fica meio dificil de analisar um filme infantil como esse.

    Mas acho que como filme infantil ele é bem legal, também não consigo entender como meus sobrinhos conseguem assistir HI5, Jorge o Curioso, Mister Maker(O melhor deles), mas lembrando que eles tem de 4 a 6 anos de idade da pra imaginar.

    Enfim o que sei desse filme é que o elenco por trás dos monstro é um elenco de feras, não lembro o nome dos atores e nem quero pesquisar agora, mas sim é um elenco fudeba memo. Tem aquele cara que é o patriacar da familia do seriado The Sopranos e aquele negão do Ultimo Rei da Escócia

    flw

  3. Fica dificil dizer que é um filme espetacular como alguns blogs dizem, mas eu realmente achei interessante algumas colocações do filme.
    Pode ser viagem minha, mas eu considerei o tempo todo que cada monstro seria uma parte da imaginação do menino, como a monstra principal (que eu esqueci o nome, ahha) poderia ser a mãe dele, como se ela estivesse se afastando de todos mesmo que esses nao gostassem da ideia.
    O outro monstro que mais aparece me lembrou muito o lado ‘estranho’ do menino, as coisas impensaveis que ele fazia sem medir consequencias do que aquilo poderia causar.
    Enfim, essas relações podem ser a razão para que eu tenha gostado do filme.

  4. Flyfish disse:

    Por um momento eu também achei que aquele mundo dos monstros fosse na verdade o mundo do moleque numa forma “maquiada” pela imaginação dele. Como naquele desenho “O Fantástico Mundo de Bobby”… Mas acabou sendo algo mais simples que isso.

    O pior é que não sei até que ponto o filme é infantil. A história É, mas o filme pode parecer confuso para uma criança.

    O livro, por ser bem mais curto, fica bem mais fácil para um moleque entender a mensagem que ele passa. Já no filme eu não sei se ficaria tão claro.

  5. Júlia Veras disse:

    Fly, tô total contigo.

    O filme, que foi baixado por um amigo, deu pau ne metade. Fiquei aliviada. A obra é chatíssima, os diálogos tediosos e o menino é um porre – você não consegue se comover com ele. O que mais me chamou a atenção é que esse me parece bem mais um filme sobre a infância do que direcionado para ela, como vc bem colocou. “Onde …”, na minha percepção, não é nem um pouco atrativo para os pequenos, até pela fotografia totalmente sépia – ok, bem feita, mas nada interessante. As imagens do livro são bem mais fofinhas. Não vi o final, tampouco fiquei interessada, já que pelos cinquenta minutos a que assisti, foi uma decepção. De todo o modo, tomara que o menino tenha se redimido até o final, senão, ele é um péssimo exemplo.

    Ah, também gostei muito da trilha.

    =**

  6. Flyfish disse:

    @Júlia

    Pois é! A moral da história é que por mais que as mães possam parecer bravas as vezes, elas sempre vão amar seus filhos e ter um local reservado para eles quando voltarem. No livro isso fica bem explícito para as crianças.

    Ah, isso que você comentou sobre a fotografia sépia, eu não tinha notado! Realmente, bem observado Júlia! Isso não chama muita atenção do público infantil mesmo… Tinha que ser um mundo mais parecido com o de Avatar, ou o de Narnia, todo colorido.

    ***** SPOILER ****

    Ele se redime sim. Depois de ele se divertir bastante no mundo dos monstros, ele nota que ainda falta algo lá. É aí que ele decide voltar para a mãe.

    O menino realmente é um porre… Vi gente falando que ele era “fofo” por aí… Hahaha… Pô, eu tenho um primo que é igualzinho a ele. Vive gritando e pulando nas pessoas. Vou ver se essas pessoas querem adotar ele…

  7. Fábio Nazaré disse:

    Hum, este tipo de desvio de caráter infantil, em geral, era corrigido com um cinturão… Hoje não sei qual a técnica que está sendo empregada, rsrs

  8. Farix disse:

    Achei o filme ótimo! sim, muitas vezes o filme tira um pouco a idéia do livro…mas, não foi esse exatamente o ocorrido.Uma forma rapida de mostrar os segredos do filme está na comunidade do proprio no orkut…onde fala algumas frases e seu significado! é uma forma de educar uma criança.como exemplo uma das frases dita pelo monstro principal

    Carol: Isso e tudo seu, tudo o que voce ver e seu … menos o buraco ele e do willer…mais a arvore e sua…menos graveto, aquele gravetinho ali nao e seu!
    [Nem tudo e nosso]
    te melhor maneira de ouvir um isso não é seu ? …
    psicologia* [basico]
    outra coisa importante do filme, é que o garoto não esta
    ali para agradar ninguém com sua carinha fofa.
    Ele está ali pra representar um garoto que sente-se excluído com uma irmã que cresce e parte para outro mundo e uma mae que busca um namorado.
    é uma mistura de fantasias e realidade, metaforas e
    simplicidade genial…pra quem curte filminhos de efeitos especiais ou aventuras com monstros na ilha dos trapalhões, realmente ficará difícil entender o filme.

    • Diego Flyfish disse:

      Quanto ao garoto, não é questão de ele querer agradar ou não. Ele simplesmente não se mostrou carismático pra mim. Isso que quis dizer. Eu não consigo me preocupar com ele, não sinto a dor dele, nem nada.

    • Patricia disse:

      Concordo com você Farix. Assisti hoje e o filme me emocionou muito principalmente no final quando o menino reencontra a mãe. Precisa mesmo de uma vivência e muita sensibilidade para “sentir” o filme. No começo, na ilha dos monstros, você pode ficar um pouquinho perdido mas aos poucos vai percebendo neles aspectos da personalidade do menino (de todos nós). Quando ele deixa os monstros para trás a gente quer estar na pele dele, quem não iria querer um dia deixar seus mosntros em uma ilha e voltar feliz e aliviado para casa?!

  9. Renato disse:

    Gostei muito do filme!Concordo que ele talvez não seja um filme infantil e sim um filme que fale sobre a infância, pra mim não é um filme que deve ser “ingerido” de primeira é necessário ve-lo mais de uma vez pra entender cada detalhe ,eu li o livro também aliás estou utilizando o livro pra escrever sobre meu tcc (mas isso é outra história
    )acho que o filme trabalha mais a sensibilidade, acredito que os montros representam a personalidade do moleque e kw sua personalidade materna (mãe) ele está buscando respostas para se auto conhecer o tempo todo, ele é sim um moloque birrento e violento, mas no fundo só quer atenção e precisa aprender a lidar com seus problemas e sua personalidade, a ilha e os monstros nada mais é do que o reflexo de tudo isso que ele é, ou seja há um monstro selvagem dentro de todos nós e e é necessário saber lidar com isso, quando ele descobre algumas respostas ele decide voltar pra casa e se reconciliar com sua mãe e concordo com a trilha sonora achei muito foda!

    • Diego Flyfish disse:

      Bom comentário, Renato.

      Eu já vi o filme duas vezes e não curti. Mas talvez tenha sido que eu não estivesse no clima dele na época. Não descarto assistir novamente qualquer dia desses para ver se minha opinião muda.

      Abração

  10. João disse:

    NA MORAL: SÓ FALOU MERDA.

Comenta aí, traça!

Powered by WordPress | Free T-Mobile phones at BestInCellPhones.com. | Thanks to Verizon Wireless, Facebook Games and The diet solution